Unidade Económica | Dano Corporal

Os direitos emergentes de acidentes de viação ou aviação, acidentes de trabalho (ou serviço), acidentes desportivos, negligência médica, atividades perigosas e crimes violentos, com consequências graves e permanentes para a integridade física da vítima, carecem, para a sua efetivação cabal, de um elevado nível de experiência e rigor na abordagem das questões relativas à prova da dinâmica do evento danoso, da valoração do dano e da interpretação e aplicação de um Direito em constante evolução, por força da atividade legislativa, da prática jurisprudencial e da produção doutrinária.

A vítima de dano corporal vê-se, em regra, numa situação de total desproteção ou desigualdade de armas perante o Estado ou seguradoras, e desamparada num sistema judicial moroso, complexo e desadequado às exigências de resposta célere que estes casos acarretam.

A intervenção jurídica da PRA foca-se na praxis de apoio e proximidade, de resposta rápida e sempre em estreita relação com o cliente, por força das dificuldades por que este, tipicamente, passa. Está, pois, muito distante de um serviço de contencioso massificado e impessoal.

A PRA assegura ainda que o cliente beneficia, de forma ágil e célere, do contributo de todos os seus departamentos, no acompanhamento e resolução de questões conexas, como por exemplo o acionamento de seguros associados a crédito à habitação, a tramitação de pedido de reforma antecipada por invalidez, planeamento fiscal ou questões no âmbito do direito da família e sucessões.

Responsável: Afonso Duarte